18.12.06

O camelo e o buraco da agulha

É mais fácil ser adepto da teologia da prosperidade do que da teologia da libertação (que dizem, já morreu, mas os que dizem se enganam). Para quem deseja sucesso rápido, conforto, popularidade, e uma igreja crescendo sem parar, basta que se ofereça o evangelho numa embalagem adequada à burguesia. Recomenda-se evitar: críticas ao acúmulo de riquezas, apêlos humanitários, referências a palavras solidariedade e justiça, opções ideológicas que favoreçam os pobres, demonstração de simpatia a expressões como "contrato social" e "outro mundo possível", sermões baseados nos profetas menores, convocações ao sacrifício, e similares. Apenas dois problemas surgirão no caminho: o tribunal da consciência (que resistido acabará se dissolvendo) e o juízo final.

7 Comments:

Blogger Felipe Fanuel said...

Concordo. De fato, há muita pressa em sepultar a teologia da libertação, quando dizem que ela optou pelos pobres, mas os pobres não optaram por ela. Não sei se os pobres têm direito de optar por alguma coisa. Não é dado a eles o direito de nada além de estar num lugar condenado pelo capitalismo selvagem. Ser excluído e marginalizado é sinônimo de dependência de "ópios" como a teologia da prosperidade. Nunca os pobres poderão desfrutar do direito de escolher sobre alguma coisa enquanto prevalecer um sistema estruturado em torno do famigerado lucro. Teologia da libertação é apenas uma utopia — "doce ilusão" — para aqueles que sonham com o reino de Deus aqui na terra. Querem matar este sonho, mas como você apontou, eles se enganam, o povo não deixou de sonhar. Por mais que nossas instituições legitimadoras do sistema social insistam em sepultar sonhos, haverá sempre um espaço para se brotar uma teologia da libertação.

4:25 PM  
Blogger Alysson Amorim said...

Este comentário foi removido por um administrador do blog.

6:05 PM  
Blogger Alysson Amorim said...

Concordo. A teologia da prosperidade é o "ópio" do momento, ou talvez, como quer o Pr. Ricardo Gondim, o "crack". O fato é que o capitalismo sempre gera suas teologias, objetivando neutralizar o poder transformador e revolucionário do Evangelho, que salta aos olhos na leitura honesta até dos mais desavisados. E se morreu mesmo a teologia da libertação o Evangelho permanece intacto, pronto para ressuscitá-la.

6:11 PM  
Blogger Esequiel Lima said...

É desastrosa qualquer teologia que maqueia as doenças da alma e do espírto humano. Jesus falou de uma Verdade que realmente livra as pessoas de sistemas mentais que causam morte. Liberdade é poder enxerga a si mesmo da mesma forma como Deus vê. Não nosso estado atual não totalmente esclarecido, mas naquele no qual temos todas as condições de ser: Jesus humano completo parecido com Deus.

10:40 AM  
Blogger Esequiel Lima said...

As pessoas viam um bloco de mármore. Mas Michelangelo tinha de tirar o mármore que não pertencia ao homem. Deus e a verdadeira teologia libertam as pessoas do efeito paralizante dos modelos mentais que impedem os seres humanos de viverem a vida para a qual foram criados. Espírito vivificante nos fala do divino vivendo no humano criado para transpirar Deus.

12:04 PM  
Blogger Esequiel Lima said...

Perguntas:
As pessoas estão alinhadas com a teologia que pregam?
As pessoas estão dispostas para encarar as falhas de condutas balizadas pelos valores estabelecidos?
Devemos considerar que o compromisso nunca está no que é dito, mas na ação (atitude).

3:43 PM  
Blogger Felipe Queres said...

Que Deus tenha misericórdia de nós.
Pra não nos cansarmos de favorecer os desfavorecidos e adorar sempre ao Deus que os favoreça. Sem vergonha de professar uma fé já "fora de mora"...

Paz,

5:34 PM  

Postar um comentário

<< Home


Ed René Kivitz
Pastor da Igreja Batista de Água Branca (São Paulo), autor e conferencista.
+ Saiba mais


LANÇAMENTO

Os artigos reunidos neste livro não são expressões de rebeldia à ortodoxia cristã, mas de inquietude diante de uma Igreja que...
+ Saiba mais


BEST-SELLER
Vivendo com propósitos apresenta a resposta cristã para o sentido da vida. Tomando como ponto de partida a afirmação de que Deus criou o homem...
+ Saiba mais


-----------------------------------------
  • BOSCH, David. Missão transformadora: mudanças de paradigmas na teologia da missão. São Leopoldo, RS: Sinodal, 2002.

  • XI Semana de Estudos de Religião - Fundamentalismos: discursos e práticas

    PRELETORES: Diversos
    DATA: 2 a 4 de outubro
    LOCAL: São Paulo (SP)
    Para saber mais, clique aqui!
  • "A missão é o sim de Deus ao mundo; a participação na existência de Deus no mundo. Em nossa época, o sim de Deus ao mundo revela-se, em grande medida, no engajamento missionário da igreja no tocante às realidades de injustiça, opressão, pobreza, discriminação e violência."
    David Bosch
  • Clique aqui para conhecer minha igreja. Você é nosso convidado!

Cadastre seu e-mail:

powered by Bloglet

 

 
....Copyright © 2006 Ed René Kivitz. Todos os direitos reservados.